terça-feira, 30 de novembro de 2010

O Tapete

video

Vídeo interessante e relevante, produzido pela Igreja Cristã Central de Las Vegas.

Fonte do vídeo: Youtube.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Rio, Cidade Dominada Não Somente Por Traficantes. Principalmente Por Usuários De Drogas.


90 toneladas de maconha. Quase 9 toneladas de cocaína. Mais de 4 toneladas de crack. Este é o consumo anual de drogas no Rio de Janeiro, segundo o estudo denominado "A Economia do Tráfico na Cidade do Rio de Janeiro: uma tentativa de calcular o valor do negócio", de Sergio Guimarães Ferreira e Luciana Velloso, da Sub-Secretaria de Estudos Econômicos da Secretaria da Fazenda do estado. O faturamento do trágico comércio de drogas no Rio de Janeiro é de no mínimo R$ 320 milhões anuais, mas pode chegar ao dobro disso, passando de R$ 600 milhões anuais.
Leia na íntegra aqui.

Somente na operação do Complexo do Alemão, foram apreendidas 40 toneladas de maconha. Corresponderia a quase 50% do consumo anual do Rio de Janeiro, segundo o estudo. Ao que parece, os números são bem maiores do que os estimados pelos autores.
Fonte: Coturno Noturno

A importância desta informação reside no óbvio fato de que se existem traficantes de drogas é porque existem consumidores de drogas, que repentinamente tiveram o acesso à ela cortado ou muito dificultado. E agora, qual será a reação desta imensa multidão de dependentes químicos? O que vai acontecer quando a pressão da abstinência tornar-se forte?

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

E Foi Tarde E Manhã ...

"...e foi tarde e manhã...".

Por seis vezes esta simpática e um tanto enigmática expressão aparece no relato do capítulo primeiro de Gênesis, servindo de marcador para não nos perdermos na agenda da criação.

Por muito tempo fiquei a imaginar porque Deus inspirou o texto deste modo particular: tarde e depois manhã. Na minha limitadíssima capacidade de compreensão eu achava que o correto e mais natural seria falar "e foi manhã e tarde...", já que intuitivamente, entendemos que o dia começa com a manhã e termina com a a noite. Simples sem dúvida. Mas muito óbvio também.

Entendo agora que o propósito divino não foi apenas o de nos manter por dentro de Seu roteiro de trabalho, mas também o de compartilhar algo de Seu caráter. Devemos notar que, após cada declaração "e foi tarde e manhã" segue-se a enumeração do dia transcorrido.

Apesar de, na tradição judaica, o dia encerrar-se no fim de cada tarde (convencionalmente 18 horas), a narrativa de Gênesis toma a liberdade de mudar um pouco esta convenção, para estabelecer que o dia anterior estava "oficialmente" encerrado e que um novo se iniciava.

Acredito que a idéia que Deus quer nos passar é de que Ele não operou nada durante o turno da noite, ou em outras palavras: a tarde transformou-se em manhã e o dia de ontem foi encerrado.
É claro que "não operou nada" é relativo. O ser de Deus está sempre em continua atividade. Mas fica subentendido que a atividade criadora aconteceu apenas sob a luz do dia, exceto obviamente no primeiro dia, que é quando esta distinção foi estabelecida.

E o que Deus quer mostra-nos de Seu caráter com isto?

Jesus certa vez afirmou "Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar."(Jo.9:4). Quando Deus organizou o Universo para que a Terra experimentasse períodos de luz e de trevas foi para ensinar que a realidade era uma realidade dividida. Quando a Terra foi criada, certamente a rebelião de Lúcifer já tinha acontecido. Ele com seu anjos caídos já perambulava pelos céus, aguardando o momento de agir contra a Criação. Isto explica a iniciativa divina de estabelecer uma firme divisão entre luz e trevas (Gn.1:4).

Ou seja: Deus que nos mostrar que Ele não faz nada nas trevas. Toda Sua obra é às claras, na visibilidade, sem acobertamento. Não é para menos que um de Seus títulos é "Pai das Luzes" (Tg.1:17).

E é também digno de nota a declaração paulina: "Porque, todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas."(ITs.5:5).

Uma simples frase e quanta riqueza podemos extrair dela. A Bíblia é realmente o livro de Deus!

sábado, 20 de novembro de 2010

Sendo Luz


"Porque, noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz (...)" - Ef.5:8.

Nestas palavras enfáticas, o Espírito Santo atravez de Paulo, nos informa qual é o estilo de vida que agrada à Deus e de como estamos comprometidos em vivê-lo diante dEle.

A comparação com a luz é bastante útil para nos orientar na prática cotidiana desta nova vida, de maneira que ela cause o impacto desejado por Deus.

Meditemos então um pouco sobre a luz e em como isto deve nos afetar como cristãos.

1.A luz é tão mais útil quanto mais alto estiver. Por isso que o Sol está a 150 milhões de quilometros da Terra. Por isso que se padronizou que as lâmpadas estejam fixadas no teto. Uma fonte luminosa deve sempre estar no alto. Jesus disse "Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus (Mt.5:20)". Ele também acrescentou: "Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa (Mt.5:15)". Fica evidente então que, a vida de um discípulo, deve ser vivida em um elevado padrão de conduta. Mas um padrão motivado não pela soberba ou presunção, mas pela convicção de que é este o compromisso que Deus merece de nossa parte.

2.A luz sempre vai gerar contraste. Diz o dito popular que "de noite todos os gatos são pardos", pois na sociedade mundana os valores são sempre mutáveis, indefinidos. Por isso o discípulo deve estar atento ao fato de que sua vida, suas atitudes, às vezes a sua mera presença física, vai produzir confrontos. Jesus disse "Porque, todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus (Jo.3:20-21)". Ele sentiu na própria pele a oposição dos homens ao Seu modo de vida: "Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborreceu a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece. Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa (Jo.15:18-20)". O discípulo de Cristo deve saber isto: ele vai ser discriminado, resistido, afrontado e, talvez, ofendido. E tal vai acontecer apenas por que sua vida vai colocar os pecados dos outros sob a luz de Deus. Na natureza há seres que fogem da luz e outros que se aproximam dela. No mundo espiritual é a mesma coisa: algumas pessoas vão evitar o discípulo, mas outras (glória à Deus por isso!) vão se aproximar buscando a luz de Jesus (Jo.1:9).

3.Uma luz acesa implica em algo sendo consumido para mantê-la. De acordo com os físicos, a cada segundo 5 milhões de toneladas da massa do Sol são transformadas em energia. Dentro de uma lâmpada, um minúsculo filamento está sendo lentamente queimado. Igualmente uma vela, consome lentamente seu pavio. Assim o discípulado autêntico vai implicar no consumo da vida do discípulo em favor de Cristo e de Seu reino. Paulo viveu e entendeu esta realidade: "de muito boa vontade, gastarei, e me deixarei gastar, pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado ( II Co.12:15)". Jesus, na oração sacerdotal, revela qual foi a intenção profunda de Seu coração: "E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade (Jo.17:19)". Ser luz para Deus significa deixar-se ser consumido por Deus. Paulo, no seu ministério, experimentou situações nas quais sua vida esteve por um fio (II Co.12:16-33) e Jesus explicou que Ele tinha vindo para dar sua vida em favor de muitos (Mc.10:45). No discipulado não existe "luz fria", mas apenas a luz mantida pelo fogo e pelo calor do amor de Deus pelos homens. No evangelho de Mateus, capítulo 25, lemos a belíssima parábola das dez virgens. Apenas cinco delas tinham óleo suficiente para manterem suas lâmpada acesas. E nós: temos o suficiente do Espírito para "ardemos" por Deus?

domingo, 14 de novembro de 2010

Amazon.com Estimula Pedofilia

A empresa Amazon, maior site de varejo do mundo, retirou de seu site o livro “O Guia do Pedófilo para o Amor e o Prazer: um Código de Conduta para os Amantes das Crianças“. O motivo da retirada do livro foi a ameaça de boicote por parte dos consumidores e usuários do site à empresa. É estarrecedor este tipo de notícia.

Diante da uma atitude abominável como esta, a Amazon deveria ser bombardeada de críticas e ser monitorada a todo tempo pelos órgãos americanos e internacionais que combatem a pedofilia.

NOTA ZERO para a empresa que deve, a partir de agora, ser olhada com outros olhos.

Leia a matéria completa em O Globo.

Fonte: Holofote.net

sábado, 6 de novembro de 2010

Um Pai E Seus Dois Filhos

Lucas 15, versos 11 a 32, nos contam a clássica estoria do filho pródigo, um dos trechos mais populares da Bíblia.
Porém o título pelo qual a narrativa ficou conhecida, muitas vezes estreita a visão do todo, tirando a percepção de que ela envolve não apenas o irmão mais moço, mas também o irmão mais velho e o pai. E é a interação destes três personagens que gera o clima cativante da narrativa, rica em nuances psicológicos.

Quero apenas compartilhar algo que recebi como fruto de alguns dias de meditação no texto.

O que temos são dois filhos, muito diferentes nas atitudes, mas muito semelhantes na visão distorcida acerca do pai.

Ambos os irmãos viam o pai como um tirano insensível. Por isso que...
1.O filho mais novo quis buscar a felicidade longe do pai - vs.13
2.O filho mais velho não conseguia usufruir do amor e amizade do pai ali mesmo - Vs.28
3.O filho mais novo mesmo arrependido não conseguia ver-se como filho - vs.19
4.O filho mais velho via a si mesmo como um filho de segunda classe - vs.29

Ambos viam um ao outro como um rival na disputa pelo que o pai tinha. Por isso que...
1.O filho mais novo tratou logo de pegar o que julgava ser seu - vs.12
2.O filho mais velho ressentia-se porque o pai "não via o seu valor" - vs.30

Ambos não conheciam realmente o caráter do pai que tinham. Por isso que...
1.O filho mais novo foi confrontado pelo perdão do pai - vs.24
2.O filho mais velho foi confrontado pela bondade do pai - vs.32
3.O filho mais novo descobriu a graça de uma segunda chance - vs.22
4.O filho mais velho descobriu os benefícios da fidelidade - vs.31.

Em tempos como o nosso, em que o valor da família vai sendo mais e mais depreciado, temos na Bíblia uma narrativa que ilustra de maneira contundente o amor divino, que apesar de nosso comportamento rebelde e enfermo, continua a nos amar, continua desejoso de nos dar um beijo de boas vindas, com túnica, sandálias e anel novos.

Voltemos para a casa do Pai.